Pesquisar neste blogue

sábado, 22 de dezembro de 2012

"Adeus, até ao meu regresso"




Entre 1961 e 1974, nesta quadra, era habitual a RTP e a Emissora Nacional (E.N.), emitirem programas com mensagens de Natal dos militares mobilizados na Guiné, Angola e Moçambique.

Estas mensagens tinham como finalidade elevar a moral, quer dos que sofriam pelos riscos que corriam os seus familiares, quer dos próprios combatentes.

Nas mensagens gravadas, com som e imagem na RTP, ou apenas com som na E.N., apesar dos ensaios prévios, era habitual alguma atrapalhação, fruto do natural nervosismo de quem nunca se tinha visto naquelas andanças, sendo da praxe referir o bom estado de saúde do militar, os votos de Feliz Natal, o desejo de prosperidades para o ano que se aproximava, além de uma breve frase de despedida, antes de dar lugar ao próximo “cliente”.

Claro que as filmagens não fugiam a uma certa encenação, querendo dar a entender que estavam a ser feitas, de modo mais ou menos improvisado, durante as operações militares. Num destes dois vídeos é particularmente desajeitada a forma como apresentam o espectáculo dos saltos da ponte para um curso de água, que acabam por se revestir de alguma comicidade, que não estava por certo nas intenções do “realizador”.

Na altura, alguma suposta elite nacional gracejava, de forma jocosa, com a frase que dá o título a este texto e que, algumas vezes – mas não tantas como se fazia crer, e os vídeos que aqui incluo, provam-no – encerrava a mensagem.

Outra frase ridicularizada entre os “bem pensantes” da praça, mas que a realidade mostra que não era também tão frequente como se pretendia, era a que manifestava o desejo de que quem por cá tinha ficado tivesse um novo ano “cheio de propriedades”, em que se trocava “prosperidades” por “propriedades”. (*)

Com o tempo, estas duas frases passaram a fazer parte do anedotário nacional.


É certo que a emissão destes programas servia os interesses políticos do Governo do Estado Novo. Mas também não é menos verdade, que os familiares dos “actores” ficavam agarrados ao écran da televisão, ou de ouvidos à escuta na E.N., à espera de ver e de ouvir filhos, maridos, pais, etc.

Numa época em que não se sonhava com a existência do Skype, ou do telefone-satélite (às vezes nem as comunicações entre as unidades, no terreno, funcionavam), e em que para fazer chamadas telefónicas de Luanda para Lisboa cheguei a esperar mais de duas horas na estação dos correios, a visão dos entes queridos na TV, ou a audição na E.N. era um bálsamo que aliviava a ansiedade e a aflição em que viviam por cá os familiares mais próximos de quem estava no mato. E estou certo de que o seu Natal era um pouco menos triste.

Salvo uma eventual falha de memória, não passou por Lucunga nenhuma destas equipas. É certo que durante a época em que as gravações eram feitas – muito antes do Natal – eu estive duas vezes ausente. Primeiro, no Hospital Militar, em Luanda, em tratamento a uma fractura num braço, durante seis semanas, entre Agosto e Setembro de 1966; e depois, um mês, entre Outubro e Novembro, em gozo de férias. Mas creio que se por lá tivesse andado alguma equipa a gravar, algum dos meus camaradas me teria falado disso mais tarde.


(*) (Não devemos esquecer-nos de que naquele tempo pelo menos 20% dos soldados eram analfabetos. Numa recruta que dei na Serra da Carregueira, ao preencher as fichas na recepção dos recrutas da minha Companhia verifiquei, com grande surpresa, que a percentagem de analfabetos era superior a 25%. Era esta a realidade, embora, legalmente, a frequência da escola primária fosse obrigatória.)

P.S. - Pese embora estarmos a viver um clima mais de depressão do que de festa, não quero deixar de desejar a todos os que visitam este blogue, um Natal Feliz.

Quanto ao ano de 2013, espero que o consigamos atravessar sem naufragarmos.





2 comentários:


  1. Grande ausência! Não tendo reparado nas aspas, sobressaltei-me com o título...

    Também não tenho conhecimento da presença da RTP ou da EN em Lucunga em 1965 mas durante as minhas férias - Novembro-Dezembro - esteve lá alguém do Mov.Nac.Feminino. Quando regressei, tinha à minha espera uma revista de coboiadas que troquei, não sei com quem, por um maço de Português Suave.
    Quanto a 2013, é caso para dizer "muitas propriedades"...

    Sebastião Fagundes


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Fagundes,

      Não era caso para sobressalto, embora a ausência tenha sido longa. Não era suposto, mas é hoje é amanhã, foi passando o tempo. Embora seja certo que não há muito mais a escrever. Uma ou outra historieta, uma ou outra fotografia, e acaba-se o filão.

      Se há 50 anos me passasse pela cabeça que um dia iríamos ter uma coisa chamada blogue, onde podíamos escrevr o que nos vem à cabeça, talvez eu tivesse tomado notas, que agora me seriam de grande utilidade. Assim...

      Nem das senhoras do Movimento, me lembro, mas podem ter ido na primeira quinzena de Novembro, e nessa altura eu andava por cá, de férias.

      Quanto à EN, o camarada Silva Pereira, disse-me há dias que estiveram no Toto. Se calhar desceram do avião deram um salto ao quartel, paparam um almoço no Adão, e seguiram no voo seguinte.

      Um abraço e um 2013 sem demasiadas dores de cabeça.

      Eliminar

O seu comentário será publicado oportunamente